Paralelo entre a Colonização portuguesa e holandesa

Vamos fazer neste poste um paralelo entre alguns pontos que são de relevância nas colonizações que o Brasil passou, a portuguesa e holandesa. Antes de iniciar tal paralelo temos que ter em mente algumas considerações. Tanto portugueses e holandeses deixaram suas marcas culturais. Não se trata de uma mera comparação ou de  uma batalha de quem melhor colonizou, mas sim a comparação em pontos cruciais de uma colonização.

Batalha dos Guararapes, 1649 – Holandeses X Portugueses

Obviamente a cultura lusitana foi mais profunda devido a sua longa presença. Não podemos perder de vista o fato de que quando Portugal começou a colonizar o Brasil teve de enfrentar vários problemas. Tanto devido aos que já aqui se encontravam, os indígenas, quanto ao que se refere ao contingente vindo para cá com objetivo de colonizar ou de ter nova tentativa de vida. Portanto quando a Holanda iniciou o seu processo de colonização, centrado em Pernambuco mais ainda entre Recife e Olinda, já encontrou “a casa pronta”. Mesmo ela não estando em ordem, mas já estava num ritmo tanto colonialista quanto em produção de renda adiantados. Isso faz com que seja mais “hábil” e “fácil” uma colonização.

Dentre alguns fatos que podemos fazer paralelo entre estas colonizações podemos citar:

*Religião:

Em relação à religião temos de lembrar que para vir ao Brasil à pessoa teria de ser um bom católico. A religião predominante no Brasil era a católica e tendo também presente os judeus que eram perseguidos. Com os holandeses houve uma tolerância religiosa. Pois aqui neste período se encontravam presente três religiões, a católica, a calvinista e a hebréia. Esta tolerância teve seu preço literal, pois para poder professar sua fé, tanto católicos quanto judeus tinha que pagar impostos que permitiam as suas práticas “livres”. Então tanto pelos portugueses como holandeses havia esta perseguição religiosa.

*Comércio:

Este ponto é interessante a se citar, pois tanto Portugal e Holanda tinham uma boa relação comercial. Relação esta que foi comprometida devida a criação da União Ibérica e intervenção do rei de Espanha Felipe II devido ao fato de que os Países Baixos terem sido colônias da coroa espanhola e há pouco tempo terem começado aos poucos a se declararem independentes, e a Holanda era um desses. A Holanda já sabia da existência da cana-de-açúcar no Brasil e sabia seu valor. Então aos poucos foi começando a se aproximar do continente e tomar então a decisão de adentrar no país para colonizar. Usando o comércio do açúcar como principal fonte de renda, já que o açúcar brasileiro era conhecido pelos holandeses e estes sabiam o valor que ele tinha na Europa.

Portugal investia na monocultura e a Holanda aplicava não só na cana quanto também na mandioca e varias frutas.

*Cultura:

Os portugueses não se preocuparam em aspectos intelectuais, e sim somente nos comerciais. Tendo como exceção os jesuítas que vieram para o Brasil para catequizar os índios. Mesmo esta catequese representando a destruição da cultura indígena, foi de certa forma um cultismo ao indígena.

Já o holandês, trouxe consigo cientistas, pintores como Frans Post e Albert Eckhout, arquitetos, médicos e pessoas de cultura para o país. Foi construídos fortes, o palácio da Boa Vista, o palácio de Friburgo e casas na cidade de Maurícia.

Então em comparação a estagnação portuguesa e a explosão cultural trazida pelos holandeses para o Brasil.

*Urbanização:

Portugal não teve tanto cuidado e preocupação as melhorias nas vilas e cidades quanto à Holanda. Uma as primeiras atitudes de Nassau em relação a isso foi trazer engenheiros para sanitarizar a cidade, fazer aterros e construir pontes, mesmo estas sendo de madeira.

Valendo lembrar que para atravessar a ponte, se tinha de pagar um imposto.

*Relação com o povo:

Desde as capitanias hereditárias que os colonos tiveram que tirar de seu bolso o próprio sustento de manutenção tanto pessoais quanto de seus engenhos. Motivos estes que levaram muitos donatários a não virem nem investirem em suas capitanias. A metrópole só tinha interesse de angariar sua parte dos lucros. Já os holandeses, mesmo com seus interesses por trás dos panos, começam a financiar os senhores de engenhos que estão em decadência para aumentar a sua produção de açúcar fazendo altos empréstimos. Empréstimos estes que a Companhia das índias Ocidentais não estava gostando devido à demora do pagamento dos senhores de engenho.

*Índios e Negros:

O índio e o negro recebiam o mesmo tratamento tanto pelos portugueses quanto pelos holandeses. Mas, quando os holandeses chegam ao Brasil e os negros vêem os seus senhores correndo dos que estavam chegando correm estes também. Então dai se inicia os quilombos, que eram freqüentados tanto por negros como por portugueses fugidos dos holandeses.

Anúncios

Sobre O Gerente

Graduado em História pela Universidade Católica de Pernambuco, estudioso das áreas da Filosofia, Sociologia, correntes religiosas e da História da Igreja. Extrovertido e Nerd, eterno buscador do conhecimento e das virtudes humanas.

Publicado em 14 de maio de 2012, em A Bodega, Brasil, Meu Pernambuco, Mundo. Adicione o link aos favoritos. 1 comentário.

  1. Aramis Macêdo Leite Júnior

    O que dizer???
    Eu adoro essa bodega!!!
    Ótimo trabalho!!!!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: